Gen João Baptista Figueiredo e o
 presidente Emílio G. Médici
Solidariedade
Prezado Dartagnan, 
Permito-me tomar a liberdade de lhe escrever esta mensagem, embora ainda não tendo tido o prazer e também a honra de lhe conhecer. 
Eu sou Paulo Renato de Oliveira Figueiredo, empresário e engenheiro formado pela PUC-RJ, turma de 1967.
Filho e neto de militares, tenho mais dois tios generais de 4 estrelas (um deles, Eucydes, recentemente falecido)
Sou filho do General João Baptista de Oliveira Figueiredo, que governou o nosso país de 1979 a 1985,mas que, antes de tudo, foi um soldado exemplar e um verdadeiro lider de nossas Forças Armadas.
Não seria imodéstia mencionar que foi sempre admirado e respeitado no seio do Exército Brasileiro, não apenas pelos méritos conquistados ao longo de sua brilhante carreira,
mas, principalmente, pelas suas posições e convicções firmes e inequívocas, fundamentadas puramente em seu sentimento patriótico,
e completamente destituídas de qualquer tipo de interesse, que não o de servir à pátria. 
Apesar de ter me diplomado na vida civil, tive educação de caserna desde a minha infância, até me tornar um homem, ao cursar e completar os 7 anos de estudos no Colégio Miltar do Rio de Janeiro. 
Já na universidade, acompanhei, dentro de minha própria casa, todos os episódios que resultaram na Revolução de 1964.
Posso lhe afirmar que o que a imprensa de hoje denomina, com tom depreciativo e faccioso de "O Golpe dos Generais", foi um movimento que surgiu da conspiração de alguns então coronéis do Exército, inconformados com o caos em que se transformou o país, e de alguns generais (não todos, tinha gente em cima do muro e também do outro lado ...). 
Ao eclodir, como se sabe mas não se publica, a Revolução terminou tendo o apoio de grande e expressiva parte da sociedade brasileira,  que não aceitava a implantação de um regime marxista no Brasil, e proporcionou ao Brasil um período de grande desenvolvimento, de Ordem e Progresso. 
O General Médici, de saudosa lembrança, dela participou ativamente, e era um dos mais firmes e alinhados com o nosso pensamento.
Anos após, veio a ser um excelente presidente e um exemplo para todos os brasileiros.
Durante o seu governo, (no qual meu pai teve a honra de exercer a chefia do Gabinete Militar), de formidável progresso para a nação, tornei-me amigo de seu filho Roberto, homem digno e íntegro, a quem nutro carinho, amizade e admiração. 
É claro que, ao tomar conhecimento do recente episódio da AMAN, fui tomado por total indignação, pois o que se verificou foi um verdadeiro ultraje à figura do eminente Gen Médici que, afinal, estava sendo homenageado.
Roberto fez muito bem em se retirar, denotando brio, lealdade aos seus princípios e respeito à memória de seu pai.
Foi homem com H maiúsculo, como se dizia nos meus tempos de rapaz. Eu teria tido a mesmíssima atitude ! 
Quero lhe parabenizar pela atitude de acompanhá-lo, e com ela me solidarizar. O seu desprendimento encerra tudo o que se espera de um bravo soldado, engrandece a sua farda e demonstra que, apesar dos dias de ingratidão, de vergonha e de nojo que hoje emporcalham a política brasileira, não estamos sozinhos em nossos ideais.
 Parabéns por não ter conseguido se conter : pois que não há maior vergonha para um homem do que sentir vergonha de si próprio.
Isto é que realmente um homem que se preza como tal tem que temer ! 
Pouco importa a enorme injustiça que lhe impuseram, ela é arma própria dos medíocres e dos servis.
Valerá para sempre a sua consciência e o passado de sua trajetória digna, que ficará como herança para seus filhos. 
Cedo ou tarde, a História restabelecerá a verdade, disto estejamos tranquilos.  
Mas lhe pergunto : onde estão os nossos, afinal, neste momento de encruzilhada ?
Onde estão a espada de Caxias, o exemplo de Osório, os braços firmes de Castello Branco, Costa e Silva, Médici e Geisel, a mão estendida de Figueiredo ? 
Quero ter a certeza de que não passaram em vão. A justiça haverá de ser feita.
E muito antes do que muita gente imagina ...
Contem com o meu integral apoio ! 
Forte abraço,
Paulo Figueiredo
Comentários   
#3 Antonio C. Martins 16-05-2017 15:09
Paulo.

Honra-me, poder me dirigir ao filho do último herói do Regime Democrático Militar de 1964, o lendário General Figueiredo. também sou fã dele.
Parabéns, pelo comentário e defesa de quem realmente merece, pelo que fizeram ao país, seu pai e os outros generais presidentes. Homens que realmente honraram o país, não ficaram ricos com o dinheiro do povo. Tinham moral de berço e a que se ensinam na formação militar.
Rtte,

Antonio C. Martins.
#2 celso fernandes da c 04-10-2014 14:58
meu caro paulo..certamen te é uma honra ser filho do grande: general/preside nte - João batista de oliveira figueiredo - militar - presidente - honrado - patriota - um dos heróis da vitoriosa contra-revoluçã o -1964/1985 - ( QUE FALTA NOS FÁZ AOS SOMBRIOS DIAS DE HOJÊ )0 UM ABRAÇO
#1 Wagner Soares Pinhei 29-07-2013 22:33
Gostaria de parabenizá-lo,p elo seu depoimento em relação ao seu pai.
Sempre que posso faço pesquisa sobre ele. Um abraço.
Wagner.:
Adicionar comentário