José Rainha Júnior e seus seguidores
Janeiro quente
Chega a 38 o número de fazendas invadidas pelo MST no interior de São Paulo
Por João Alberto Pedrini - especial para O Globo
Presidente Prudente e São Paulo - Com três novas ações ocorridas entre a noite de domingo e a manhã desta segunda-feira, chegou a 38 o número de fazendas invadidas ou demarcadas com acampamentos pela ala do Movimento dos Sem-Terra (MST) liderada por José Rainha Júnior, no oeste do Estado de São Paulo.
O grupo de Rainha diz contabilizar sete invasões no Pontal do Paranapanema, 14 na Alta Paulista e 17 na região de Araçatuba, como parte do chamado "janeiro quente". Cerca de cinco mil pessoas participariam das invasões na região.  
"Nossa intenção é chamar a atenção das autoridades para agilizar a arrecadação para fazer reforma agrária "
A Polícia Militar não informa, oficialmente, a quantidade de áreas invadidas, porém, reconhece que "algumas fazendas foram ocupadas" e confirma que não foram registrados conflitos.
O presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, desmente a quantidade de propriedades invadidas.
- Não é esse número que divulgam. Eles [sem-terra] inflam para ganhar força na mídia. Em diversos casos, fiquei sabendo de propriedade que teria sido invadida, liguei para o proprietário, que desmentiu qualquer atividade - disse ele.
Em resposta, Rainha afirmou que a quantidade de propriedades rurais informada pelos movimentos engloba tanto áreas invadidas como acampamentos montados em frente às fazendas.
- Em alguns locais, estamos em frente às propriedades. Em outros, já ocupamos. Nossa intenção é chamar a atenção das autoridades para agilizar a arrecadação para fazer reforma agrária e, para isso, o governo do Estado precisa entrar em entendimento com o governo federal - disse Rainha.
A Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp) afirmou que o Estado está cumprindo seu papel na reforma agrária, mas que a ação de desapropriar terras é do governo federal, argumentando que é uma "obrigação constitucional". Manifestou ainda que, durante a gestão do PT, foi suspensa a parceria com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para a realização de vistoria de imóveis e assistência técnica nos assentamentos federais.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), manifestou preocupação com a onda de invasões promovida pelo MST no interior do Estado. Num recado direto aos sem-terra, Alckmin disse que o governo de São Paulo "não vai tolerar" invasão de propriedade.
- A invasão é um desserviço à reforma agrária porque a boa bandeira da reforma fica maculada pelas invasões de propriedade, que causam uma enorme insegurança no campo - disse ele, durante a abertura de feira do setor de calçados e couro em São Paulo.
Adicionar comentário