Imprimir
Categoria: Política interna
Acessos: 2664
 Antes da próxima tragédia
Eduardo Graeff -  www.eagora.org.br  
Alguém aí sabe quantas pessoas moram em áreas de risco pelo Brasil? E onde ficam essas áreas?
Buscando por alto na internet não achei resposta para essas perguntas.
O primeiro passo para resolver um problema é saber seu tamanho.
Dar alternativa melhor para os moradores de áreas de risco pode custar caro e demorar. Mapeá-las tem que ser relativamente mais rápido e barato.
O Instituto de Pesquisas Tecnológicas da USP concluiu no fim do ano passado o mapeamento das áreas de risco no município de São Paulo.
Para estender isso pelo Brasil, o governo federal poderia começar juntando duas pontas:
- financiar projetos de sensoramento remoto de universidades e centros de pesquisa federais;
- condicionar o financiamento de projetos de habitação e infraestrutura urbana à apresentação de levantamento das áreas de risco pelas prefeituras interessadas.
Cruzando essas duas fontes, deve dar para obter um mapa razoavelmente preciso e identificar prioridades em função do grau de risco das áreas.
Dando a devida publicidade ao mapa atualizado, pelo menos se evita que o problema volte a ficar invisível até a próxima tragédia.
Com os dados na mão, fazer, por exemplo, uma camada do Google Mapas com as áreas de risco deve ser fácil.