Esperemos que as relações sejam cordiais !
Folha de São Paulo - 14/03/2001 
Visita de presidente dos EUA ao Brasil abre chance para combater deficit comercial e devolver relação bilateral a trilhos menos conflituosos
Depois do período de esfriamento nas relações entre Brasil e EUA, no segundo mandato de Lula, a visita de Barack Obama ao Brasil de Dilma Rousseff, sábado e domingo, oferece boa oportunidade para reconstituir uma agenda de cooperação bilateral.
O aumento do intercâmbio comercial com os EUA deve ser uma prioridade brasileira. O mercado americano ainda é o maior consumidor e importador global, condição mal aproveitada pelo BrasilÉ impressionante que o país tenha deficit comercial de US$ 7,8 bilhões com os EUA.
Quase todos os países de peso no comércio internacional têm saldos positivos.
Tal estado de coisas diz muito sobre os problemas de competitividade e falta de foco do Brasil quando se trata de conquistar mercados. O país insiste há anos nos mesmos contenciosos -aço, carnes, suco de laranja, álcool-, quando mais de 85% das importações dos EUA se encontram livres de restrições tarifárias e cotas.
Esse espaço tem sido bem explorado por outros países. A criação de dispositivos bilaterais para rápida solução de entraves seria o início de uma agenda positiva. A cooperação em ciência e tecnologia é outro campo que pode render mais para ambos os lados - energias renováveis à frente.
É certo que a liberalização das importações de álcool por parte dos EUA dificilmente será atendida em prazo curto, tendo em vista os subsídios concedidos pelo governo americano ao biocombustível de milho. O Brasil deve persistir na denúncia das barreiras ao álcool, que acabarão por ruir sob o peso da superioridade do produto nacional e das limitações à produção nos EUA, mas não deve fazer disso uma precondição.
Por outro lado, essa justa expectativa brasileira não elimina a possibilidade de pesquisa conjunta na área de fontes renováveis como um todo, que ganharão importância na matriz energética global nas próximas décadas. Álcool celulósico, que permitiria aproveitar toda a biomassa de plantas como a cana, e energias solar e eólica, setores que a China elegeu para atuar com agressividade, constituem alvos estratégicos para a cooperação tecnocientífica.
Não se deve contar que a visita de Obama traga avanços imediatos. Mesmo assim, após o estranhamento dos últimos anos, em parte consequência de inclinações ideológicas da diplomacia brasileira, chegou a hora de encetar uma nova parceria estratégica.
Será um bom teste para a noção de que Dilma Rousseff busca inflexão mais substancial na política externa, que vá além da já percebida correção de rumo na área nevrálgica dos direitos humanos.
 

Comments powered by CComment