Vejam as carnes penduradas! 
Na Bahia, uma "colônia de férias" para o MST
Governo baiano distribui 600 quilos de carne por dia para sem-terra que invadiram sede da Secretaria de Agricultura
Biaggio Talento* -  O Globo - 15/04/2011
SALVADOR. O governo da Bahia está fornecendo gratuitamente 600 quilos de carne por dia e verduras para alimentar os cerca de 3.000 sem-terra que invadiram o prédio da Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária, em Salvador, na última segunda-feira. Só com a carne, o gasto diário é de cerca de R$6 mil, considerando o quilo do produto de segunda a R$10. Além disso, foi oferecida aos invasores uma infraestrutura com 32 banheiros químicos, dois chuveiros improvisados e toldos - tudo pago com dinheiro público.

 


Ontem, no acampamento no pátio da secretaria, militantes do MST preparavam carne de sol em um varal improvisado. No Nordeste, a carne de sol é feita artesanalmente.
Enquanto era tratado com cortesia na capital do estado, o MST invadia ontem, em Juazeiro, a 500 quilômetros de Salvador, a Fazenda Lastro, completando 40 propriedades rurais ocupadas, só na Bahia, desde o início do Abril Vermelho. Cerca de 80 famílias de sem-terra participaram da invasão. O MST tem a meta de ocupar 50 fazendas na Bahia até o fim do mês.
Na ausência do governador Jaques Wagner (PT) e do secretário de Agricultura, Eduardo Salles, que acompanham a presidente Dilma Rousseff na viagem à China, o líder do governo na Assembleia Legislativa, Zé Netto (PT), tentou explicar a hospitalidade oferecida aos sem-terra:
- O MST é um movimento importante, não é nosso adversário, não pode ser tratado com violência. Esse tipo de notícia é melhor para nós (do governo). Pior seria a outra (de que foram tratados com violência).
Bem alimentados, os integrantes do MST só pretendem deixar o prédio da secretaria quando tiverem do governo baiano a garantia de que suas 15 reivindicações serão atendida. A pauta inclui assistência técnica e infraestrutura nos 117 assentamentos baianos controlados pelo MST, ou seja, construção de escolas, sistemas de fornecimento de água, 700 quilômetros de estradas e desburocratização do acesso a crédito agrícola.
O clima de camaradagem entre os sem-terra e a Secretaria de Agricultura se mantém após uma semana de ocupação. A diretora-geral da secretaria, Jucimara Rodrigues, confirmou a instalação dos banheiros químicos para os sem-terra. Além disso, foram fornecidos lonas, toldos, água e chuveiros. Enquanto a secretaria fornece 600 quilos de carne diários e verduras, os invasores do MST levaram alimentos básicos, como arroz e feijão.
* Da Agência A Tarde

                                               XXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Lamentável
O Globo - 15 /04/2011
SE CONFIRMADO que, no governo Lula, não prosperou projeto de lei antiterrorismo para proteger-se o MST, ao menos os responsáveis por tal deplorável manobra fizeram uma avaliação acertada: o MST é mesmo comparável a grupos terroristas no total desprezo pelo estado de direito.
O GRAVE é que, do ponto de vista legal, a sociedade fica vulnerável ao crescente risco potencial de haver ações terroristas no país porque petistas aliados a esta semiclandestina organização dos sem-terra atuaram como lobistas em Brasília. 
 
 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar