Fidel conversa com Chávez que  está,há 16 dias, 
em tratamento em Cuba.
Irmão de Chávez diz que apoiadores não devem descartar luta armada para manter poder
O Globo (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)
CARACAS - Um dos irmãos do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse neste domingo que os apoiadores do líder bolivariano não devem excluir a luta armada, no futuro, como meio de manter os ideais do regime, embora devam preferir manter o poder nas urnas.


Texto completo

A declaração de Adán Chávez, que é governador do estado de Barinas, aumenta a especulação sobre o estado de saúde do presidente, internado em Cuba há 16 dias. "Como revolucionário autênticos, não podemos esquecer outras formas de luta", disse ele durante uma reunião de oração pela saúde do irmão em Barinas, estado natal dos Chávez. "Seria imperdoável nos limitar apenas as formas eleitoral e não ver outro tipo de luta, incluindo a luta armada", completou Adán.
Já o vice-ministro das Relações Exteriores, Temir Porras, disse no Twitter que o presidente está se recuperando bem da cirurgia e que os adversários devem "parar de sonhar" com a morte de Chávez.
"O presidente Chavez está se recuperando bem da cirurgia. Os seus inimigos podem parar de sonhar e seus amigos não precisam se preocupar," disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Temir Porras, no Twitter no sábado. "A única coisa que virou metástase é o câncer chamado Miami Herald e o resto da imprensa de extrema direita."
O vice-presidente Elias Jaua disse que Chavez vai retornar em pouco tempo. "A direita nacional e internacional está indo à loucura, esfregando as mãos em expectativa ... falando até na morte do presidente," ele disse em um discurso, acrescentando que os rivais de Chavez estão abrindo espaço para fascistas anti-democráticos. "Eles sabem que não conseguem ganhar eleições contra o nosso comandante," acrescentou Jaua.
Chavez mandou várias mensagens via Twitter na sexta-feira da sua conta @chavezcandanga, que tem mais de 1,6 milhão de seguidores, mas não comentou sobre sua saúde.
O líder socialista não é visto em público desde uma operação no dia 10 de junho, em Cuba, para remover um inchaço pélvico. Sua longa ausência gerou especulação generalizada de que ele estaria seriamente doente, possivelmente sendo tratado de câncer de próstata.
A ausência de Chávez, de 56 anos, reforça o seu domínio total sobre a política venezuelana e a falta de um sucessor nas suas fileiras depois de 12 anos de chavistas no poder.

Comments powered by CComment