Quero denunciar a iminente deportação de dois atletas cubanos pelo Brasil, os lutadores de boxe Erislandy Lara, de 24 anos, e Guillermo Rigondeaux, de 25, que aproveitaram sua estada no Brasil durante o PAN para fugir da ditadura em seu País.

 

 

 

 

Texto completo  

Como brasileira, como jornalista, como cidadã deste País e do mundo, quero exigir dos deputados que elegi e dos que me representam que intercedam em favor da concessão de asilo político a estes que desejam, acima de tudo, liberdade de ir e vir, liberdade de expressão, liberdade para exercer seu talento onde ele for melhor valorizado. São direitos inalienáveis de todo ser humano, como consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos, da qual o Brasil é signatário e deveria respeitar e fazer cumprir.

 

É absurdo que nos deixemos intimidar por um ditador que mal consegue conter em seu território os seus próprios habitantes. Se alguém deseja ir embora, por não ser feliz onde vive, que a porta de saída lhes seja serventia da casa. Seriam Erislandy e Guillermo prisioneiros em uma ilha? Do que Fidel tem medo em não deixar partir os descontentes? Com que direito ele prende em seu território homens livres? Que crime cometeram esses homens para serem agora presos? Por que foram presos no Brasil, um território livre e acolhedor?
 
 
Espero que não nos acovardemos diante desta situação. Estes dois atletas - e todos aqueles que desejarem liberdade - merecem todo o nosso apoio, merecem o nosso abrigo, o nosso acolhimento.

Valéria Ramos Chalegre
Jornalista
RG 37980478-5
CPF 621924000-63




Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar