Exército lembra anistia para criticar livro
Após reunir-se durante horas, o Alto Comando do Exército emitiu nota em que lembra a Lei de Anistia para criticar o livro "Direito à memória e à verdade", acusando a o regime militar de mortes e torturas, cujo lançamento foi chancelado pelo presidente Lula e o ministro Nelson Jobim (Defesa). A assessoria do ministro jura que a nota "foi negociada" com Jobim, mas fontes militares não confirmam essa versão, até porque Jobim estava a caminho de Brasília, em um avião.    
Exército reage e discute declaração de Jobim
O Comando Militar do Leste pediu ao Comando do Exército uma "reunião urgente" para "avaliação dos últimos acontecimentos envolvendo declarações do ministro Nélson Jobim" (Defesa). A reunião se realiza há horas em Brasília. No lançamento do livro "Direito à memória e à verdade", acusando a o regime militar de mortes e torturas, Jobim avisou que "haverá reposta" em caso de reação de militares ao livro. Ele desembarcou em Brasília, no começo da noite, preocupado com os desdobramentos da reunião. 
Adicionar comentário