O ato de protestar não é reserva de pessoa nem de partido político; é um direito de todos, do cidadão nacional.
Houve tempos, no Brasil, em que o Partido dos Trabalhadores (PT) despontava como campeão absoluto das ações políticas próprias das oposições democráticas e nesse mister criticava, condenava, apontava erros, sugeria novos caminhos, exigia mudanças e, acima de tudo, se mostrava implacável na defesa da ética e contra a corrupção. Tudo, creio eu, visando a um Brasil melhor em que pobres e ricos se irmanassem no reconhecimento de seus direitos sem descuidar dos seus deveres. Conquistado o poder, mercê das bandeiras persistentemente levantadas, é triste constatar o desmoronamento das boas intenções que se assemelha ao despertar de um sonho.
Texto completo


 Diariamente busco na mídia nacional conhecer o que vai pelo meu país e gradualmente mais me entristeço e me decepciono. É a jovem senhora alagoana que, entrevistada, prevê a sua morte ocorrida dois dias após por falta de atendimento médico; é o povo paraibano da mesma forma desassistido por falta de estrutura de saúde adequada; é a população cearense padecendo, sem muita diferença; é o povo do Piauí fazendo fila de mais de quinhentas pessoas à espera de uma simples cirurgia ortopédica... Tudo isso acontecendo no nordeste, região que deveria merecer, pelo menos por gratidão, atenção do governo federal proporcional à importância dos votos nela obtidos, mas que, passado o período das promessas eleitorais, continua com as mesmas arcaicas estruturas sociais, os mesmos vícios, e, como novidade, apenas contando com a caridade oficial destinada a evitar que a parcela mais humilde da sua população passe fome!

 Enquanto isso ocorre, o noticiário sobre a abusiva CPMF, antes execrada pelo PT e hoje já quase duplicada, dá conta da sua indispensabilidade, sem hipótese sequer de redução de valor, sob pena de um impacto negativo dito insuportável pela economia brasileira apesar dos enormes superávits de arrecadação, como tal não previstos no orçamento e conseqüência de impiedosa carga tributária. Se recordarmos que esse imposto perverso, matreiramente transformado em contribuição para não ser dividido com os estados, estimado em cerca de R$37 bilhões, foi criado para melhorar a área da saúde, é mais do que um espanto e sim uma calamidade o que se vê no Brasil. Para onde vai tamanha fortuna? É desviada, é mal gerida ou segue caminhos inconfessáveis do tipo “valerioduto”?

  Se os governos se dizem empenhados em evitar que brasileiros passem fome, é indispensável que se mostrem capazes de evitar, eficaz e permanentemente, que também não morram à mingua nos corredores hospitalares ou implorando, como ato de caridade, a mitigação dos seus sofrimentos. O povo brasileiro não pode continuar tolerando filas de meses ou de anos de pessoas humildes tragicamente aguardando atendimento médico, às quais nem consolo se oferece...

 O cansaço já chegou e com ele o clamor e a revolta dos brasileiros que querem e merecem um Brasil melhor. A corrupção endêmica e o banditismo institucionalizado têm que ser varridos da vida pública!

  Felizmente, a aurora de novos tempos parece desabrochar com a eclosão de movimentos populares de revolta, como são exemplos o “Movimento Luto Brasil” (Cansei), em São Paulo e o “Reforma Brasil”, em Porto Alegre. Não é fácil, nesse contexto, enfrentar a sanha totalitária dos apaniguados oficiais confiantes no apoio governamental, os quais procuram o enfrentamento violento à margem da lei e da ordem, como ocorrido recentemente na capital gaúcha.

  Não é possível assistir o Presidente da República acolher no Palácio do Planalto alguns pregadores do ódio e de um revanchismo que nada constrói em lugar de procurar governar para toda a Nação, como é o seu dever. O mesmo absurdo, na mesma ocasião, é ouvir o Ministro da Defesa Nelson Jobim tentando se promover mediante ofensa ou ameaça aos militares, aos quais lhe caberia preservar de imputações caluniosas ao arrepio da verdade histórica!

 Chega de formação de “quadrilhas”! Que figuras impolutas, como o Procurador-Geral Antônio Fernando de Souza e o Ministro Joaquim Barbosa, do STF, proliferem!


Também CANSEI! Algo de melhor tem que acontecer!

(Gen Ex José Carlos Leite Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo./08/07)

(Publicado: “O Jornal de Hoje”,de 04/09/07, Natal-RN)

Adicionar comentário