Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 3298
 Produzido pelo TERNUMA Regional Brasília
Por Paulo Carvalho Espíndola, Cel Reformado

Mais quarenta quadrilheiros apareceram, mesmo que ainda acobertados pelo anonimato do voto secreto. Isso me faz lembrar a sabedoria do meu saudoso pai, que dizia: “quem com porcos se mistura, farelo come”.
 
 
 
 
 
 
 

Texto completo  

O Ali Lulalá - o grande mudo desde que o escândalo Renan Calheiros aflorou na mídia, em maio do corrente ano -, diante da obscena absolvição do presidente do Congresso, prontamente se manifestou, dizendo que “o problema está restrito ao Senado Federal, que agora pode trabalhar em prol de projetos da mais alta relevância do país, como a CPMF e a reforma tributária”. Existem coisas mais importantes para o Brasil do que a ética, a probidade na acepção da palavra e a aversão do povo brasileiro ao que aí está?

Pior do que o voto secreto dos quarenta comedores de farelo foi a abstenção de seis senadores. Tratava-se de mero plebiscito entre pares. Nesse caso, abster-se, para mim, significa conchavo dos bastidores imundos da politicalha, que vive e sobrevive com os votos de brasileiros enlevados pelos cantos de sereia dessa gente.

Emblemática foi a abstenção de Aloísio Mercadante, que manifestou a sua falta de voto por não ter convicção da culpa de Renan. Ora, se não tinha, por que se absteve, ao invés de votar na absolvição? Se não tinha, por que agora defende o licenciamento do absolvido presidente do Senado? Será que não é para que assuma o vice, político do PT? Realmente não tenho agudeza para entender coisas assim. O que me parece é que existe muito mistério por trás disso tudo.

Enquanto isso, Lulla viaja pela Europa garimpando apoio para o álcool - aliás, do que gosta muito - e alheando-se neste momento importante. Espicaçado pela imprensa, entretanto, pondera que não tem nada com isso, uma vez que os três poderes da República são independentes e soberanos. Todavia, como ele explica os mensalões que enlameiam o Legislativo e as sete nomeações de ministros do STF, em um concerto de onze, o que sugere garantia de obediência e subserviência ao Executivo? Nada demais, certamente, pois que eles teriam que ser nomeados por causa da rotatividade natural do Supremo...

No fluxo e refluxo dessa maré negra, a maioria do povo brasileiro cada vez mais se emporcalhou, sem reação e aparvalhado, tão-somente interessado pelos jogos de futebol de ontem - o fatídico 12 de setembro de 2007. Afinal, o Flamengo afastou-se da zona de rebaixamento e a seleção de Dunga ganhou do poderoso México. Nada contra o meu Mengão...

Clamor? Só de uns poucos, que têm bílis injetada na corrente sanguínea, por tanta ignomínia.

Os telejornais, sem nenhum comentário, mostraram líderes da oposição, “generosamente” cumprimentando Renan Calheiros pela sua vitória.

É muito descaramento!

Um certo petista anônimo acusou-me de escrever artigos chulos. Ele deve admirar o “preparo” intelectual dos líderes do seu partido, que só lêem Trotski, Marx, Lênin, Gramsci e, até, Florestan Fernandes. Trajados de finíssimos ternos Armani, adquiridos não sei com quais dinheiros, esses representantes das “causas populares” são legítimos representantes de uma burguesia porco-capitalista a que juram odiar com sua retórica cínica.

Continuo com a minha chularia, sem comer farelo, graças a Deus.

 


Visite o nosso site: www.ternuma.com.br .