"Não trabalhem demais, porque isso baiano não gosta"

LUIZ FRANCISCO da Agência Folha, em Salvador
O ministro da Defesa, Nelson Jobim (PMDB), cometeu uma gafe ao discursar nesta sexta-feira, em Salvador (BA), para cerca de 200 marinheiros e representantes de ONGs durante encontro promovido pela Organização Marítima Internacional, uma agência da ONU (Organização das Nações Unidas).

Texto completo  

Logo após cumprimentar as autoridades --entre as quais o governador em exercício da Bahia, Edmundo Pereira (PMDB)--, Jobim afirmou, em discurso de improviso, que os baianos não gostam de trabalhar. "Não trabalhem demais, porque isso baiano não gosta", afirmou, dirigindo-se aos marinheiros e representantes de ONGs.

O governador Jaques Wagner (PT) estava nos EUA e não participou do encontro. O antecessor de Jobim no ministério, Waldir Pires, que é baiano, não foi localizado pela reportagem para comentar a declaração do ministro.

Mais tarde, em entrevista, Jobim recuou da declaração. "Não disse que o baiano não gosta de trabalhar. Disse que o baiano é inteligente, que sabe que trabalhar, e só trabalhar, dá neurastenia e intolerância. Agora, trabalhar com lazer e prazer, que é que o baiano faz, é o que traz a possibilidade de sorrir."

O encontro foi realizado em Guarajuba, no litoral norte de Salvador, em um hotel à beira-mar.

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) na Bahia, Saul Quadros, reagiu à declaração de Jobim. "O ministro, a despeito de ser um grande jurista, certamente cometeu não só uma gafe imperdoável, mas ofendeu a todos que aqui nasceram, vivem e trabalham muito. Afirmações desse tipo só reforçam posturas preconceituosas que em nada somam para o engrandecimento da nação", disse Quadros.

De acordo com o presidente da OAB, "a melhor postura para o ministro seria se retratar e pedir desculpas aos baianos."

 
               Jaime Gimenez Jr
               São Paulo SP Brasil
               
                *Visite: www.jgimenez.fot.br
Adicionar comentário