Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 3841

 Por Renato Martins

Guiana informou que tropas do país foram enviadas à fronteira em reação a uma suposta invasão do território.

 

Texto completo  

SÃO PAULO - O Ministério das Relações Exteriores da Guiana informou que tropas do país foram enviadas à fronteira ocidental nesta sexta-feira, em reação a uma suposta invasão do território do país por soldados venezuelanos. Os militares da Venezuela teriam explodido duas dragas de garimpos de ouro em um rio próximo da fronteira.


De acordo com os militares da Guiana, as tropas da Venezuela usaram helicópteros e explosivo C-4 para destruir as dragas; ninguém teria ficado ferido no incidente, que os militares da Guiana não sabiam dizer se aconteceu no rio Wenamu, que faz a fronteira entre os dois países, ou no rio Cuyuni, em território da Guiana.


O ministro das Relações Exteriores da Guiana, Rudy Insanally, convocou o embaixador venezuelano na capital, Georgetown, Dario Morandy, para dar explicações sobre o incidente. Funcionários do Ministério das Relações Exteriores da Venezuela disseram que não havia nenhum comunicado oficial a divulgar sobre o assunto.

No ano passado, um soldado da Guarda Nacional da Venezuela matou a tiros um garimpeiro guianense no lado da fronteira pertencente à Guiana. Ninguém chegou a ser preso depois desse incidente. As informações são da Associated Press, citada pela Dow Jones.

Democracia

O "afago" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o recente elogio "à democracia" chavista voltaram a provocar manifestações no Senado nesta sexta-feira, apesar do baixo quorum, já praxe às sextas-feiras, sobretudo após o feriado.

O presidente da Comissão de Relações Exteriores, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), afirmou que Lula "se precipitou" ao sair em defesa de Chávez na polêmica com o rei da Espanha, Juan Carlos. Durante reunião da cúpula Ibero-Americana, no Chile, Juan Carlos recomendou que Chávez cala-se.

"O silêncio do Lula seria a melhor opção", avaliou Herácilto. O senador, porém, lamentou o fato de Lula freqüentemente sair em defesa do colega venezuelano. E ironizou: "Já é tradicional esse afago do Lula para com o Chávez e do Chávez para com o Lula."

O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) também fez críticas. "Democracia pressupõe instituições fortes, liberdade de imprensa. Esses elementos existem na Venezuela? Eu não consigo enxergar", afirmou. Pegando a Venezuela como mote, Mozarildo ainda usou o plenário na sessão da manhã de ontem para alertar que o Brasil deve preparar-se para defender suas fronteiras.

Ele disse que enquanto a Venezuela prepara-se para defender sua fronteira o Brasil diminui seu orçamento militar. Ele lembrou ainda que o Brasil perdeu parte de seu território para a Guiana Inglesa, em 1899, quando a Venezuela, "que disputava com a Inglaterra a região a oeste do rio Essequibo, não aceitou o domínio inglês".

"Não se pode dizer que foi o Chávez que inventou (essa situação) porque há muitas décadas, talvez quase um século, a Venezuela não aceita essa área como sendo da Guiana. O governo brasileiro faz o inverso. O Brasil está sucateando as Forças Armadas", afirmou.

http://www.estadao.com.br/internacional/not_int81415,0.htm