Ernesto Caruso
Além do abordado nos dois artigos anteriores, o autor do livro Combate nas trevas, J. Gorender, a registrar fatos ocorridos antes de 64, torna evidente o plano de tomada do poder via luta armada pelos comunistas na América Latina: “Em 1963, o Exército peruano já havia destroçado a guerrilha de....”
Implantar o regime comunista no Brasil era uma obsessão histórica gerada na matriz soviética e imposta por seus líderes.
Os atos de terrorismo não emergiram contra a ditadura, mas sim que está nas teses e programas dos congressos e organizações que os praticaram. Incrível. Renegam a Pátria para condicioná-la à soberania limitada sob o tacão vermelho e princípios doutrinários, como prioridade ao internacionalismo, revolução permanente e ditadura do proletariado.
O título Turbulências de 68 e Fechamento Ditatorial justifica causa e efeito. Neutralizar a guerrilha e o terrorismo das várias facções e desaguar na abertura política com a mudança de atitude dos autores e partícipes das “turbulências”. Aprenderam que o poder de gerir o Estado advém da disputa pela voz do pensamento e não pela voz dos explosivos, das rajadas e matracas.
O autor discorre sobre o sequestro do embaixador norte-americano, narra a morte de Marighela, que rendido tenta abrir a pasta onde estava o revolver 32; divergência com frei Beto, alegando que esse preferiu a meia verdade, igual à meia falsidade e que sua versão acumula “invencionices” a respeito da participação dos frades dominicanos no evento.
Qualifica Lamarca com cultura política elementar, primária e simplória; reporta a sua atuação na guerrilha do Vale do Ribeira, onde o Ten Mendes da PMSP foi executado. Descreve assaltos a carros fortes/bancos e mortes, tiro acidental no comparsa Ari Miranda que faleceu se esvaindo em sangue no refúgio e enterrado à beira da estrada, sequestro de avião debelado por soldados da FAB com a morte de Eraldo Freire, do bando (01/07/70).
Descreve os sequestros dos embaixadores da Alemanha e da Suíça e morte de dois seguranças, o fim de Lamarca, o suicídio de Iara Iavalberg, o justiçamento do empresário Henning Boilesen, revela o plano de matar um oficial do navio da Marinha inglesa em solidariedade ao IRA, mas é metralhado um marinheiro (05/02/72), assalto à Casa de Saúde Dr. Eiras, metralhados três seguranças e destruição de caminhonetes do Grupo Folhas; analisa a guerrilha do Araguaia.
Traça um paralelo entre a violência do opressor, com destaque para a tortura e a do oprimido; agrava a primeira e justifica a segunda em alguns casos, a despeito de afirmar que a violência revolucionária não deve ir além do necessário: “é imoral torturar e assassinar prisioneiros, explodir bombas que vitimarão inocentes, capturar inocentes e fazê-los reféns”.
Daí justifica os justiçamentos do Cap Chandler, empresário Boilesen e do delegado Otávio, considerados inimigos. A do marinheiro, um assassinato. A morte do Ten Mendes, “surpreendido por uma coronhada na cabeça”, prisioneiro de Lamarca, foi uma “duríssima necessidade”.
O justiçamento de Elza Fernandes impressiona como o Partido Comunista é senhor da vida e da morte dos seus seguidores. Gorender refere-se ao livro escrito por Luiz Carlos Prestes como pseudo-autocrítica e reproduz: “Eu não mandei matar Elza... Quem mandou matar Elza foi o partido.” E contesta tal afirmação. Elza tinha 16 anos em 34, analfabeta, companheira de Miranda, secretário-geral do PC. O casal foi preso em 13/01/36, pós intentona de 35. Elza foi libertada a seguir e colocada sob suspeita de delatar companheiros que foram presos. Submetida a “interrogatórios prolongados”, teve quem a defendesse na direção do partido, mas, afastado sumariamente do secretariado. Prestes não só apoiou o julgamento, como aprovou a sentença por cartas, refutou a suspensão da execução, chamando os camaradas de vacilantes e medrosos. Gorender comenta a leviandade de Prestes ao fazer de memória exame grafológico nos bilhetes de Miranda. Poderia evitar o “crime brutal”, mas empurrou Elza para a morte por estrangulamento.
À reflexão a meia verdade que a Comissão, recém criada, ensaia apresentar à sociedade. Os fatos estão aí narrados, crimes, erros e exageros dos terroristas que foram anistiados. Por que então os absurdos cometidos por alguns que os combateram não podem ser agasalhados pela anistia?  

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar