DIEGO ABREU
Correio Braziliense - 19/04/2013 

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, aparece na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, divulgada ontem pela revista norte-americana Time. O chef Alex Atala também foi incluído na relação. Os dois são os únicos brasileiros no rol da edição 2013. Francisco, o primeiro papa latino-americano da história, também está entre os mais influentes do planeta. A presidente Dilma Rousseff, que havia integrado a lista nos últimos dois anos, desta vez, ficou de fora. 

De acordo com a revista, o presidente da Suprema Corte “simboliza a promessa de um novo Brasil comprometido com o multiculturalismo e com a igualdade”. O perfil que descreve Joaquim Barbosa informa que ele é o primeiro presidente negro da mais alta Corte do país e motivo de orgulho para o povo. A publicação adjetiva o ministro como “menino pobre que mudou o país” e destaca que ele cresceu na vida por meio da educação. 

A Time também mencionou o processo do mensalão. Observou que Barbosa foi nomeado em 2003 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas que se portou de maneira “ferozmente independente” no julgamento que condenou colaboradores do próprio Lula. Barbosa foi descrito ainda como um campeão de ações afirmativas e como um homem que não foge das controvérsias. 

“Gostei. Senti-me muito honrado. É uma honra muito grande para este Tribunal, para a jurisdição constitucional no Brasil. Estou extremamente feliz, lisonjeado e alegre”, disse Barbosa, ontem, ao comentar a presença do nome dele na lista dos mais influentes do mundo. 

A revista dividiu as 100 personalidades em cinco categorias. Joaquim Barbosa figurou no grupo dos pioneiros. As outras listam líderes, ícones, titãs e artistas. É nesta última categoria que aparece o nome do cozinheiro Alex Atala. O chef brasileiro é descrito como uma “figura marcante”. “Sua filosofia de utilização de ingredientes nativos brasileiros na alta gastronomia tem fascinado o continente”, destaca o texto de apresentação de Atala. 

 

Comments powered by CComment