CArlos ,S.M. Mondaini
 Estou escrevendo para que eu e você possamos analisar bem.  Eu, quando estiver escrevendo e você quando ler.
 Meu jovem, não estou lhe recriminando por ter uma opinião equivocada sobre os acontecimentos de 1964.  Sua opinião nada mais é que o resultado da repetição exaustiva de uma versão sem qualquer compromisso com a verdade.  Lembre-se, já dizia Goebels, ministro da propaganda de Hitler, que a mentira repetida à exaustão transforma-se em verdade. Nós nada mais somos do que a informação que recebemos.
 À época o contexto era muito diferente do que vivemos hoje.  Havia um encantamento generalizado pelo socialismo que era intensamente difundido no mundo.  Figuras como o Che Guevara eram retratadas como heróis solitários, tal como os cowboys românticos do farwest mostrado no cinema, levando a justiça e a lei para os desprotegidos.
 
 Os jovens, com o romantismo dos seus sonhos de mudança para um mundo melhor, eram, pela inexperiência da juventude, presas fáceis dessas ideologias sem perceber que, nos países onde foram implantadas, pela incapacidade de levar o progresso e qualidade de vida à população, os governos  se tornaram autoritários, com cerceamento à liberdade de expressão, antidemocráticos, tudo na tentativa de controlar a insatisfação do povo.  Por essa razão é que nesses países se impediam, de todas as maneiras, de a população sair ou de receber informações do exterior.  Chegaram ao exagero de construir muros e cercas guardados e vigiados por soldados fortemente armados. Ora, quando o país é próspero e com qualidade de vida a tendência é de se restringir a entrada e não a saída.
 
 O comunismo era implantado através de lutas armadas, pela desestabilização da ordem e pela quebra da estrutura dos governos.  Em todos os países em que o comunismo foi implantado tal se deu pelo uso das armas e com grandes perdas humanas. Isso se observou na União Soviética, na China, e, ainda hoje, na Coréia do Norte e em Cuba. 
 Esses países comunistas procuravam exportar essa ideologia desestabilizando outros governos, através de greves. Quebra de disciplina e hierarquia das forças armadas. Fomentando a luta de classes e através de formação de grupos guerrilheiros, os quais atuavam não só no interior como nas cidades.   Assaltando bancos. Explodindo bombas Seqüestrando e assassinando quem se lhes opunha resistência. Somente em Cuba, foram mais de 85 mil perdas humanas.  Considerando apenas os fuzilados nos tristemente célebres “paredons” foram mais de 2000,
 
 Não muito distante no tempo, o mundo pode acompanhar, pela televisão, horrorizado, a brutal repressão às tentativas de fuga da Alemanha oriental, dominada pelo regime comunista, com os assassinatos de quem procurava fugir para a liberdade da Alemanha Ocidental. Tentavam a fuga mesmo com o risco da própria vida.
 
 Era esse o contexto na década de sessenta.  O governo brasileiro, da época apoiava esses regimes e promovia a sublevação de cabos e sargentos das forças armadas  Os sindicatos promoviam greve por motivos políticos e não por interesse de beneficiar a classe trabalhadora.  Tudo para obter apoio das massas iludidas pelas palavras de ordem e de promessas fantasiosas.
 Portanto, meu jovem, o movimento que as forças armadas fizeram não foi uma revolução e sim uma contra-revolução. Sabe quantos morreram na tomada do poder?  Nenhum.  O ato maior de força foi um tapa em um sentinela.
 
 Deve-se ressaltar essa retomada da ordem foi amplamente aplaudida pela população, imprensa e igrejas. Isso está fartamente documentado na imprensa da época e pelo testemunho dos meus contemporâneos.
 
 O país iniciou um clima de tranqüilidade e progresso como nunca visto. Obras monumentais foram realizadas: hidroelétricas, estradas, pontes iniciando-se a modernização de uma infraestrutura tão carente.  Essas medidas lançaram o país da 46 ª para a 8ª economia do mundo.  São por esses resultados positivos que o Presidente Médici era aplaudido de  pé nos estádios de futebol quando se anunciava a sua presença. Qual o político hoje tem a coragem de ir a um estádio de futebol. Já reparou que nenhum deles vai?
 
 Aí, a esquerda derrotada, em desespero, quis aplicar a mesma estratégia que tinha dado certo em outros países e se lançou à luta armada e a atos de terrorismo. Foram fragorosamente derrotados pelas Forças Armadas e, diga-se com justiça, com o aplauso da população brasileira que não concordava com essas ações violentas e criminosas como os seqüestros, assassinatos, assaltos a bancos e roubos de armamentos em quartéis, dentre outras violências.
 
 Somente aconteceu a repressão porque houve uma tentativa de fomentar uma guerra civil para implantação de uma ditadura comunista. Como muitos guerrilheiros hoje confessam não lutavam para o retorno da democracia, mas para implantar uma ditadura comunista, muitíssimo pior do que aquela em estávamos vivendo.
 
 Por que então, hoje, um grande grupo de pessoas pensa diferente e repudia o período dos governos militares?  Porque os governos militares não souberam divulgar de maneira didática, para o povo, as razões e os acertos.  No entanto, o outro lado, muitíssimo experiente em propaganda, construiu uma versão particular da história (lembre-se de que se acredita não é no fato, mas na versão), e repetiu a sua versão de maneira incansável visando, principalmente, a juventude e as gerações que não viveram aquele período.
 
 Para sua melhor análise, de como essa esquerda é perigosa com sua propaganda, basta ver como esses terroristas e guerrilheiros que hoje foram condenados pelo STF, por formação de quadrilhas, evasão de divisas e outros crimes, com um julgamento amplamente divulgado na mídia, com advogados regiamente pagos pelos réus, tem a parcimônia de dizer que não tiveram o direito amplo de defesa e que as penas foram exageradas.  Que desfaçatez. Era contra esses criminosos que as forças armadas lutaram.  E hoje se fazem de vítimas, recebendo bolsas e indenizações absurdas.
 
 Essa mesmo esquerda cria agora uma “comissão da verdade”, onde só tem os representantes de uma corrente, ou seja, a deles e sem a presença do Ministério Público e do Judiciário .  Sequer fazem uso do contraditório, expõem os acusados à execração pública num pelourinho da ignomínia.
 
 Por que só os integrantes do poder da época é que estão sendo analisados e não também os guerrilheiros?  Que busquem a verdade nos dois lados.  Mas isso eles não querem, porque a máscara iria cair.  A repressão da época, então, ficaria justificada.
 
 Os meios com que se impediu a implantação de um regime comunista foram de combates na selva, nas cidades e nos campos.  E foi muito eficaz porque os terroristas não conseguiram vencer.  O povo não pegou em armas como os guerrilheiros pensavam que faria.  Não pegou porque não acreditava nessa ideologia e nem nos meios que ela praticava.
 
 Hoje, meu jovem, se temos liberdade é porque pessoas que lutaram o bom combate venceram, e  devemos muito a elas.
 
 Espero que, se não lhe tenha convencido, ao menos tenha lhe despertado o interesse de se aprofundar nos fatos daquele período para compor uma conclusão digna do seu espírito de jovem tão desejoso de mudanças para corrigir o mundo.
 
 É o que deseja, de coração, humildemente, esse mais velho.
 

Comments powered by CComment