Dilma está tão furiosa com os últimos problemas com
os quais está envolvida, que esqueceu que não esteve
presa no DOI e sim na Operação Bandeirante-Oban.
Sua prisão foi em janeiro de 1970 e o DOi foi criado em
setembro do mesmo ano.
Observação do site www.averdadesufocada.com : Sobre o artigo abaixo :  "Caros amigos ", de PChagas, não poderíamos deixar de fazer um comentário, já que conhecemos bem o que o desejo de se passarem por "heróis", "apaga" da mente dos que estão no poder!
A necessidade de doutrinação desses ex-membros das organizações subversivo-terrorista é tão grande que aproveitam as mínimas chances de usar  o nome do DOI para se passarem por "heróis".
É bom frisar que o DOI era um órgão de passagem, onde os presos ficavam por pouco tempo para serem interrogados. Depois eram enviados  para o Dops onde respondiam ao competente  inquérito policial. Posteriormente eram encaminhados ao Presídio Tiradentes , caso tivessem a prisão preventiva decretada - caso da presidente -, ou eram postos em liberdade.
Admira-nos que, em uma embaixada, território considerado pelas leis diplomáticas, território do Brasil, um asilado seja mantido, segundo a imprensa,  por quase  500 dias, confinado, num quarto sem janela e sem banheiro, estando o país - Brasil - em um regime dito democrático.
Quanto as lágrimas, que PChagas tem curiosidade em saber se, em algum momento, a presidente derramou pelas vítimas inocentes que as organizações terroristas assassinaram, organizações que a Oban e os DOIs combatiam, esqueçam...  Para eles, subversivos, assassinos, terroristas e simpatizantes dessa ideologia, o ressentimento e o desejo de vingança varreram o remorso que por ventura poderiam ter para baixo dos tapetes vermelhos que as benesses do poder lhes oferecem.

Caros amigos - 28/08/13
PChagas
Há algum tempo, junto com todos os brasileiros, testemunhei, comovido, as lágrimas e o pesar da Presidente Dilma Rousseff ao referir-se às crianças vitimadas pelo desatino de um desequilibrado mental, no bairro de Realengo, no Rio de Janeiro.
Emocionei-me com seu discurso e seu pranto diante de uma tragédia que ceifara a vida de jovens brasileiros, marcando para sempre, física e emocionalmente, todas as demais vítimas e testemunhas de um ato que teve por motivo apenas chamar a atenção da sociedade para o criminoso e para as suas absurdas convicções.
 
Acreditando na franqueza e na verdade dos sentimentos da Presidente e reportando-me a seu passado de guerrilha urbana, terrorista, do qual tem orgulho pelas mesmas razões do assassino de Realengo, fiquei a imaginar o quanto teria chorado quando inocentes foram mortos e feridos por culpa e propósito das suas próprias convicções e da forma como escolhera para expressá-las!
 
A única diferença que pude identificar entre os crimes é que um foi cometido pelo desatino de um desequilibrado mental e os outros por convicções ideológicas de fanáticos de uma utopia.
 
Na ocasião, ao prantear as pequenas vítimas, a Presidente demonstrou sentimento sincero de pesar, mas ficou a pergunta: Teria ela pranteado a suas próprias vítimas?
 
Ontem, assisti a outra manifestação de repúdio da Presidente ao referir-se à comparação, feita pelo diplomata Eduardo Saboia, entre instalações da Embaixada do Brasil em La Paz e as de um DOI/CODI do tempo da repressão ao terrorismo.
 
A comparação, mesmo que infundada, pois o Sr Saboia nunca esteve em um DOI/CODI, o teria motivado a, clandestinamente e sem autorização oficial, trazer para o Brasil um senador boliviano, asilado, há quase quinhentos dias, naquela embaixada.
 Desta feita, a manifestaçao da Presidente não veio, como no caso das crianças, acompanhada de pranto, mas de fúria, pois, segundo ela, a diferença entre uma e outra instalação é semelhante à “distância entre o céu e o inferno”!

Disse-o com a autoridade de quem já esteve em ambos os locais!

Novamente assaltou-me a curiosidade. Teria a Comandanta, nos papéis de guerrilheira urbana, ativista, idealizadora ou partícipe de atos terroristas, feito a mesma comparação, ao colocar-se no lugar de suas vítimas?
 
Qual seria para ela a distância entre estar, em um determinado momento, transitando na rua, sacando a poupança em um banco ou embarcado em um avião para uma viagem com a família e, no outro, estar morto, ferido, aleijado ou sequestrado, sem saber por que ou por quem?
 
A expressão de fúria da Presidente ao referir-se a seu tempo de guerrilheira, ou de vítima de sua insensatez, faz ver com clareza a determinação e o ódio que, saídos de sua alma, a motivaram a atentar contra a vida de pessoas inocentes, mesmo conhecendo a “distância entre o céu e o inferno”!
 
Hoje, sinto-me à vontade para dizer que, ao contrário do que demonstrou pelas pequenas vítimas de Realengo, a Sra Rousseff nunca lamentou, pranteou ou deu importância ao sofrimento de suas próprias vítimas, inocentes ou não, de ontem ou de hoje!
 
 

Comments powered by CComment