Meu prezado Dobbin,
Meus parabéns pela oportuna, adequada, firme e irretocável carta , em que verbera a atitude tíbia, hipócrita, desonesta e serviçal dos responsáveis pelo jornal que se transformou em jornaleco e órgão oficioso da revolução comunista em curso em nossa Pátria, com redobrado vigor, graças 'a covardia e ao adesismo de tantos que renegaram seus valores, suas crenças e seu passado, pela satisfação irresponsável de mesquinhos apetites e interesses pessoais. São os tristes seguidores de Judas de todas as eras, vencidos pela tentação torpe dos trinta dinheiros, que, periodicamente, mancham a face da humanidade!

Que orgulho tive de você e do Clube Naval, que volta à liça renovado, a exemplo do que fizera em março de 1964, quando se transformou em baluarte da Pátria, da Marinha e do brio, da honra e do pundonor militares e marinheiros. Tive a glória de ter estado lá, na épica Sessão Permanente no Salão dos Conselheiros, em horas tão incertas quanto decisivas, pronto a defender até a morte, como todos os demais ali presentes, a hierarquia, a disciplina e os princípios mais elevados do Brasil e das Forças Armadas.
Bem me lembro, com grande emoção e fervor patriótico, daqueles momentos inspiradores para o jovem Capitão-Tenente que eu era então, servindo no Corpo de Aspirantes da gloriosa Escola Naval!

Chegou a hora decisiva do confronto entre o Bem e o Mal em nossa terra, e os militares não podemos, nem devemos mais continuar passivamente assistindo aos acontecimentos trágicos que se sucedem. A luta é pelo futuro, a liberdade e a grandeza da Pátria: é para ser combatida com todo o ardor pelos seus guerreiros.

Ataquemos a mentira, a impostura, a traição, a corrupção e a perversão vermelhas, que se espraiam por todos os meios! Façamos do nosso Clube e da nossa revista as trincheiras da verdade, da democracia, da justiça e da liberdade e exortemos nossos irmãos das outras Armas a fazerem o mesmo!

Nesta quadra avançada da vida, minhas armas são o coração, a alma e a mente brasileiros, minhas mãos e a pena com que escrevo em defesa da Pátria. Estarão sempre prontos para o combate e  à disposição da Revista do Clube Naval, que tanto me honrou e contribuiu para nossa justa causa, com a publicação do meu texto "Vamos falar e difundir a verdade", na sua mais recente edição, comemorativa de Riachuelo e do 129* Aniversário do Clube Naval.
Forte abraço do Sergio Tasso..

 

 


 

Comments powered by CComment