O delegado federal ROMEU TUMA JUNIOR, ex-secretário nacional de Justiça, lançou o seu livro "Assassinato de reputações: um crime de Estado".

Brasília, DF, 13 de dezembro de 2013

Gen. Bda Valmir Fonseca Azevedo Pereira
Uma hecatombe de denúncias e acusações que serão divulgadas pelo seu impacto, mesmo na mídia governista, durante alguns dias.

No início, muitas prosopopéias, pretensas providências de algumas autoridades, protestos indignados, ameaças de processos contra o autor, mas tudo apenas marolinhas para embromar os esperançosos.

Pessoas de conhecida falta de caráter são citadas, nada de novo. Quem não conhece o ex - presidente? Quem desconhece o tamanho de Tarso Genro?

Apesar de cheios de novidades, nada que vá mudar o elevado conceito do populacho em relação a cada canalha citado.

Do livro, podemos concluir o que já sabemos, de que no Brasil o sucesso está na malandragem, e que os mais espertos e sem caráter sempre se darão bem.

Outra conclusão é de que com o poder nas mãos, o patife usa a sua posição para prejudicar os seus opositores. No livro, Tuma afirma em várias oportunidades, que foi incitado ou convidado a levantar dados para macular desafetos das autoridades.

Suas alegações é que não topou, mas quantos já foram convidados e aceitaram?

Felizmente, o autor resolveu expor no livro as diversas ocasiões em que os poderosos tentaram ou usaram a sua posição poderosa para denegrir alguém ou acobertar algo.

Daí a expressão de “assassinos de reputações”.

Mas talvez a grandiosa descoberta seja a de que o melhor caminho para o sucesso é a patifaria, é o engodo, as maracutaias, na verdade é afastar - se da dignidade e do caráter como o diabo da cruz, pois vemos que cada patife profissional, venceu na vida.

Que triste resultado para os corretos e dignos, quando confirmamos que o golpe, a mentira são os atributos que coroam a vida de seus praticantes.

O metamorfose ambulante, ou o informante “barba”, para os íntimos, chegou e foi reeleito presidente, e que ícone da ignorância é mais “Doutor Honoris Causa”do  que os mais alentados mestres da humanidade?

O Tarso foi ministro e hoje é governador e admirador das FARC. Lembram - se do Battisti? Dos cubanos que pediram asilo e foram embarcados à força de volta para Cuba?

Hoje, no Brasil, atingimos a apoteose dos crápulas, pois aqui, com a nossa subserviência e a nossa falta de critérios, respeitamos e elegemos não o mérito, mas a incúria e os seus seguidores.

Esta é a nossa imbatível realidade.

Os mensaleiros foram presos, nem todos, mas alguém acredita que os principais protagonistas ficarão muito tempo na cadeia?

As acusações e denuncias do Tuma serão devidamente desmoralizadas, e os principais canalhas citados prosseguirão na sua gloriosa carreira.

Sim, não adianta espernear quando eles crescem, engordam e atingem os pináculos da glória “como larvas no esterco”.

Alguns poderão indagar, que esterco?

O País é, ou está coberto de esterco? Ou o esterco somos nós?

Provavelmente, nós, respondeu o filósofo.

 

Comments powered by CComment